Posts Tagged ‘Lipstick Jungle’

Ah, séries novas…

Bom, eu terminei de assistir Lipstick Jungle, larguei Cold Case e Damages (Luto, #SaveDamages) e Lost estão acabando, então decidi procurar novas séries para assistir. Escolhi três: Modern Family, Southland e Nurse Jackie. Agora eu vou falar da minha impressão:

1. Southland

Vou ter que escolher outra. Acabei de saber que Southland foi cancelada. Pois é, justo agora que fui assistir. Não faz mal… a série é legal, mas não é um Without a Trace da vida. É paradinha, mas eu ia dar uma chance a ela. Ia mesmo, mas não vou continuar a assistir uma série que vai acabar.


2. Modern Family

Tá, Modern Family é legal e tal… dá pra rir. Mas cadê aquilo tudo? Todo mundo fala que é a melhor comédia no ar hoje. Talvez eu não ame ainda porque tô no sétimo episódio, mas sei lá. Se for assim, tenho que dar várias chances a todas que abandonei nos primeiros cinco episódios. Mas enfim… vou continuar assistindo porque AMO a Sofia Vegara (Glória), que fez uma série que passou no SBT chamada Corretoras e que eu adorava. Gosto também da Haley, que fez a filha da Wendy em Lipstick Jungle.


O núcleo mais engraçado da série é, sem dúvida alguma, o do casal gay. São eles que me fazem rir. A cena da menininha de peruca foi incrível. Quase me mijei de rir. É.

Os criadores/roteiristas lidam muito bem com o assunto principal da série: as novas configurações da família. Eles usam situações rotineiras para mostrar como uma família grande e diferente lida com os problemas. E essa é a graça: são coisas comuns. A mãe maluca e superprotetora e o pai desligado e idiota. Como não rir? Bom, assistam Modern Family, vale a pena. É uma série com episódios pequenos (20 minutos), mas que alegram seu dia.

3. Nurse Jackie

Foi paixão a primeiro episódio. Pronto. Me fisgou e agora vou até o fim. Eu sabia que ia gostar, por isso enrolei tanto pra ver. Nas séries médicas (Grey’s Anatomy, House) você é levado a desprezar enfermeiras. E você acaba desprezando. É natural… Daí você vai e assiste Nurse Jackie. É quase instantâneo seu ressentimento com os médicos que te fizeram odiar as pobres moças que trabalham como cães e não recebem o crédito. Como a própria Jackie disse: “Os médicos estão aqui para fazer o diagnóstico. NÓS curamos.” E não duvido muito disso não. Elas que limpam os vômitos, dão banho, limpam as cagadas.

Tá certo que a Jackie é praticamente uma médica. Ela viu que o cara tinha uma hemorragia no cérebro só de olhar para ele. Ela é uma mulher forte, esforçada e que ama a profissão. Mas é viciada em Vicodin (não tinha nada melhor? Acho que se colocassem maconha ia ser mais engraçado e não seria plágio) e trai o marido. Trai de tirar a aliança do dedo. =O É bom ver uma personagem principal com um comportamento antagônico. Você se sente menos filho da p**a.

E o Dr. Cooper (Peter Faccineli, o Carslile de Crepúsculo e o Gregory Malina de Damages)? Muito canastrão. Engraçado mesmo. Meio idiota, arrisco dizer. Haha

Assistam, tenho certeza que vão gostar! ;D

Espero que tenha ajudado… Agora algumas notícias e promessas.

* Damages foi cancelada pelo FX, mas pode ser salva pela DirecTV. Tomara.
* Prometo colocar em dia The Good Wife e Nurse Jackie até semana que vem.
* Esse fim de semana coloco Modern Family em dia.
* Quem sabe não começo “The Tudors” esse mês ainda?
* Vou assistir “The Pacific”, só não sei quando.
* Já estou com Alice (da HBO) em mãos, devo assistir no fim de semana. UHU!

Bom, é isso… Valeu e até a próxima!

Anúncios

O Fim de Lipstick Jungle

Então, acabei de ver Lipstick Jungle. Acabei mesmo… foi o último episódio. E eu penei pra ver esse episódio.

Eu pedi pro Paul trazer os últimos episódios da segunda temporada para mim. Ele, trouxe, como bom amigo que é. Só que o último episódio veio com problema. E lá fui eu pedir para ele de novo. Quando cheguei no lugar que ele fica, uma surpresa: Paul estava fora do ar. Como assim? No último episódio? Que vacilo… Começou, assim, minha saga para encontrar o maldito episódio. Até que hoje eu encontrei. Ufa! Pensei que ia ter que comprar o DVD.

Mas vamos a série. Sabe quando você tem vontade de assistir uma coisa, mas tem preguiça de baixar pedir pro Paul? Então… foi o caso de Lipstick comigo. Comecei a assistir na Record… e gostei. É uma seriezinha de mulher bem trash, mas você acaba querendo saber o que acontece com as três amigas ricas e bem-vestidas de NY.

A série é bem água com açúcar e Wendy, Nico e Victory ganham sua simpatia. Elas são mulheres bem-sucedidas, inteligentes e guerreiras, que lutam para conciliar família e seus grandes trabalhos.

Lipstick Jungle poderia durar mais. Eu continuaria assistindo, porque é leve, não exige de você. Você assiste pelo prazer de assistir.

O fim não foi um mega evento porque a série foi cancelada em cima dos 45 do segundo tempo, mas foi o suficiente pra deixar a gente feliz, com a sensação de dever comprido e imaginando o quanto aquelas três mulheres seriam felizes dali para frente. É realmente uma pena que essa série que, assim como Sex And The City, foi criada por Candance Bushnell não tenha durado mais.

Vou sentir saudades da abertura, das mulheres lindas, das histórinhas trash, dos sorrisos, dos pseudo-dramas. ‘Read my lips…’

Rest in Peace, Lipstick Jungle.

Valeu e até a próxima!

Lipstick Jungle

É, estou gostando mesmo de Lipstick Jungle, apesar de saber que não devo me apegar porque ela acaba na segunda temporada. É uma série beeeem água com açúcar, e bem feminista também, mas é legal. Tem produção e fotografia excelentes, além de excelentes atores/atrizes.

São cenas bem feitas, e diálogos bem escritos. Descobri que gosto (e muito) da Brooke Shields, que eu não via trabalhar desde A Lagoa Azul. Ela envelheceu, mas continua linda de morrer. Chega a dar palpitação.

Eu tinha vontade de assistir, mas nada que me fizesse pedir pro Paul Torrent. Até que começou a passar na Record como tapa-buraco. Assisti a primeira temporada toda na Record, que é pequena. A segunda foi interrompida, pra dar lugar a quinta temporada de House. Vacilo isso, Record, custava esperar um pouquinho? Mas agora o Paul tá trazendo pra mim, e vou acabar rapidinho, já que nem vejo o tempo passar quando assisto a série.

Quem não assistiu, assista. É pequenininha e vale a pena. Valeu e até a próxima!

Minha semana é melhor…

quando começo com Damages! Sério, sinto até palpitação durante o download. Que série é essa? Muito bem escrita, enredo bem amarrado, personagem SUPER bem-desenvolvidos e NY, como coadjuvante. Fazer o quê? É sucesso na certa. Daí, só pra acabar de vez com a raça das outras, eles poem em cima de tudo Glenn Close. Simples assim. É, Damages é a melhor série no ar, e eu não me canso de dizer isso, porque é boa mesmo.
Frase do episódio é da Patty: “Continue a agir como um Tobin, e eu te punirei como tal.”

;D

Então, tô assistindo Lipstick Jungle pela Record e é legalzinha… Assisto por causa da Broke Shields e da Kim Raver.

;D

E assisti também a primeira temporada de Six Feet Under, série que sempre quis assistir e nunca consegui. Agora já tô com a segunda temporada em mãos e baixando a terceira. Prometo que assisto até o fim do mês, eu acho.

Bom, é isso aí. Valeu e até a próxima.

“Drª Lipstick Jungle” e Mimosa Montgomery

É incrível a capacidade de alguns atores de interpretar papéis completamente diferentes. Eu estava assistindo Lipstick Jungle e vi como a Kim Raver tá diferente, se comparada com a Drª Altman, de Grey’s Anatomy. Assisti também o episódio de CSI que a Kate Walsh (Drª Addison Montgomery, de Grey’s Anatomy e Private Practice) aparece. Nesse episódio ela interpreta uma transexual, Mimosa. É absurda a transformação delas, independente dos artifícios usados em Kate Walsh (ela teve que colocar um “implante”, para que seus lábios ficassem maiores) e dos uniformes cirurgicos da Kim Raver.


É aí que se vê quando uma atriz/ator é bom. A Nico, de Lipstick, é uma mulher bem-sucedida, inteligente, editora-chefe de uma revista; Teddy é uma cirurgiã cardio-toráxica cheia de complicações no amor. Addison é Addison, e Mimosa não tem nada a ver com ela.

Outro que vale ser citado também é o Michael C. Hall, que em Six Feet Under é um dono de funerária gay e em Dexter um serial-killer. Espero que mais atores e atrizes bons como esses apareçam por ai. Valeu e até a próxima!